Fundada em agosto de 2003, a KW Ambiental iniciou suas atividades como a primeira empresa brasileira especializada em monitoramento e amostragem de solo, águas subterrâneas e superficiais. Possui ampla experiência em trabalhos dessa natureza, com destaque para as amostragens de poços de monitoramento das águas subterrâneas por meio da adoção do método de baixa vazão.
Em 2013 passou a prestar serviços de instalação, monitoramento e amostragens de poços de monitoramento de vapores (subslab e vapores de intrusão), e desde abril de 2015 conta com um departamento de vapores destinado ao atendimento exclusivo da crescente demanda por esses serviços.
A KW Ambiental presta serviços para empresas de consultoria ambiental, laboratórios de análises ambientais, postos de serviços, distribuidoras de combustíveis, refinarias e indústrias dos diversos segmentos produtivos. Suas equipes trabalham adotando procedimentos técnicos e operacionais baseados em normas nacionais (ABNT) e internacionais (ASTM), sempre em consonância com as exigências dos órgãos de controle ambiental.

 VAPORES

 Instalação de poços de monitoramento de vapores do tipo subslab

Instalação de poços com o objetivo de monitorar as concentrações de gases abaixo do contrapiso de áreas pavimentadas. Para a instalação de um poço subslab é realizada a perfuração do piso até ser atingida a base do contrapiso em contato com o solo. O conjunto de peças que constituem o poço é introduzido e fixado diretamente nesta perfuração. O poço do tipo subslab é uma importante ferramenta para obtenção de dados utilizados para avaliar o nível de exposição de eventuais receptores em estudos de avaliação dos riscos à saúde humana.

 Instalação de poços de monitoramento de vapores de intrusão

Instalação de poços com o objetivo de monitorar as concentrações de gases no solo da zona vadosa (não saturada). As perfurações para a instalação destes poços são realizadas em conformidade com os procedimentos descritos na norma ABNT NBR 15492 - Sondagem de reconhecimento para fins de qualidade ambiental - procedimento. Os poços instalados contemplam todos os elementos necessários à realização dos monitoramentos e à obtenção de amostras representativas do solo da zona vadosa.

 Amostragem de vapores de intrusão para análise TO-15

Um dos serviços oferecidos pela KW Ambiental com o objetivo de avaliar as concentrações de vapores em ar ambiente ou em poços do tipo subslab ou de monitoramento da zona vadosa é a amostragem para execução de análises de Compostos Orgânicos Voláteis (VOC, do inglês) pelo método USEPA TO-15. A amostragem dos gases na zona vadosa e nos poços do tipo subslab é realizada através da utilização de um Canister evacuado e um Sample Train. Para a coleta em ar ambiente normalmente são oferecidas duas modalidades: o grab, que representa uma amostra instantânea, e uma amostragem para longos períodos, que podem variar de acordo com solicitação do cliente.

 Amostragem de vapores de intrusão para análise TO-17

A KW Ambiental oferece o serviço de amostragem para análise posterior pelo método USEPA TO-17. Para este tipo de amostragem tanto para Ar Ambiente como poços de vapores são utilizados tubos/cartuchos e uma bomba com vazão ajustada conforme descrito no método USEPA TO-17.

 Coleta de vapores de intrusão com amostradores passivos

Uma das alternativas às metodologias convecionais de amostragem de vapores é a utlização de amostradores passivos. A KW Ambiental possui equipe qualificada e capacitada para a realização deste tipo de amostragem. A metodologia apresenta grandes vantagens técnicas, pois leva em consideração algumas variáveis adicionais, como a variação temporal.

 Testes de estanqueidade em poços subslab e monitoramento de vapores utilizando gás Hélio

O teste de estanqueidade é um procedimento que visa garantir a boa qualidade de uma amostra de vapores. O teste identifica possíveis vazamentos no selo dos poços e conexões utilizadas durante o processo de amostragem. A KW Ambiental oferece o teste de estanqueidade utilizando gás hélio como traçador, possuindo capacitação técnica e equipamentos adequados para esse tipo de ensaio. O teste de estanqueidade com gás hélio é altamente recomendado internacionalmente, sendo o único sempre presente na ASTM e em diversos guidelines da US EPA.

 Monitoramento de VOC in situ

Medição in situ das concentrações de Compostos Orgânicos Voláteis (VOC, do inglês) utilizando equipamentos do tipo PID (Photoionization Detector). O método permite detectar somente substâncias ionizáveis, e o analisador responde à maioria dos vapores que têm um potencial de ionização menor ou igual ao potencial da lâmpada ultravioleta. Esse tipo de avaliação é geralmente realizada como screening de VOC nos locais de estudo e traz grandes benefícios, principalmente na redução de custo do projeto, por possibilitar a eliminação de amostras de baixa representatividade.

 Monitoramento de metano e gases fixos em poços de vapores

Medições in situ de metano e gases fixos utilizando detectores portáteis. O estudo do metano possui grande importância em avaliações ambientais, sendo que a presença deste gás normalmente resulta da degradação de compostos orgânicos em anaerobiose e, quando encontrado em condições específicas de mistura de gases, pode elevar de forma substancial o risco de ocorrência de explosões. Assim como o metano, outros gases também devem ser avaliados, pois podem incrementar os riscos avaliados (H2S, CO, CO2, O2 e etc.)

 SOLOS E ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

 Monitoramento da qualidade das águas subterrâneas

Monitoramento dos níveis d’água, da presença de indícios de contaminação e de parâmetros físico-químicos (pH, ORP, OD, Condutividade Elétrica e Temperatura) em poços de monitoramento das águas subterrâneas com uso de equipamentos portáteis (medidores de interface, monitores portáteis de gases e medidores multiparâmetros).

 Amostragem de água subterrânea – purga de volume determinado

Método baseado na remoção de um volume determinado de água subterrânea do poço antes de ser iniciada a amostragem propriamente dita. O volume de água a ser purgado é calculado com base nos dados construtivos do poço a ser amostrado e em parâmetros hidrogeológicos locais, principalmente o nível d’água, que por isso é monitorado antes da amostragem. Para aplicação desse método, tanto na etapa de purga quanto durante a amostragem normalmente são utilizados bailers, ou seja, amostradores de polietileno descartáveis e individuais (um para cada poço de monitoramento) que, ao serem introduzidos nos poços, possibilitam que a água neles presente seja trazida até a superfície. Contudo, podem ser utilizadas bombas em substituição aos bailers. O uso de uma bomba do tipo peristáltica, que permite a regulagem da velocidade de captação da água subterrânea com maior facilidade, é inclusive recomendável em boa parte dos casos. Antes e no momento da amostragem são monitorados parâmetros físico-químicos (pH, ORP, OD, Condutividade Elétrica e Temperatura) indicadores de qualidade das águas subterrâneas.

 Amostragem de água subterrânea – baixa vazão

O método de amostragem por baixa vazão, ou micro purga, se baseia na purga do poço amostrado pela adoção de uma baixa velocidade de captação de água, sendo o controle realizado por meio do acompanhamento do rebaixamento do nível d’água. Este controle é efetuado utilizando uma sonda elétrica acoplada a uma fita métrica com graduação em milímetros, para medição contínua do rebaixamento da coluna d’água ocasionado pela purga (medidor de rebaixamento). Paralelamente ao acompanhamento do rebaixamento do nível d’água é realizado o monitoramento dos parâmetros indicadores da qualidade da água (pH, Condutividade Elétrica, Temperatura, ORP e OD). Esse monitoramento visa determinar o momento no qual a água da formação é acessada durante a purga, que se trata do ideal para a execução da amostragem propriamente dita. Para o monitoramento dos parâmetros indicadores a água purgada passa por uma célula de fluxo onde são acoplados eletrodos sensíveis a eles, para medição contínua dos mesmos. Quando obtidas três leituras próximas e sucessivas de cada parâmetro (medidos in situ) é obtida a indicação de que foram alcançadas as condições ideais para a amostragem. As medidas consideradas são as que variaram dentro de intervalos mínimos indicador na norma ABNT NBR 15847.

 Amostragem de água subterrânea – purga mínima

A amostragem pelo método de purga mínima envolve a remoção do menor volume de água possível do poço sem a realização completa da purga. Para tanto se assume que o volume de água contido no poço representativo da formação é aquele existente: entre a captação do equipamento (posicionado acima da base da seção filtrante para evitar a suspensão de sedimentos eventualmente existentes no poço) e o topo da seção filtrante (para poços afogados), descartando o volume de água contido no equipamento e na tubulação de descarga; entre a captação do equipamento e o nível estático (poços com seção filtrante não afogada), excluído o volume de água contido no equipamento e na tubulação de descarga.

 Acompanhamento da execução de sondagens e da instalação de poços de monitoramento das águas subterrâneas

A KW Ambiental conta com colaboradores treinados e capacitados para acompanhamento da execução de sondagens de investigação e da instalação de poços de monitoramento como parte de trabalhos de investigação e remediação de áreas potencialmente ou reconhecidamente impactadas. Os técnicos da KW acompanham as equipes de sondagem e instalação realizando a descrição dos materiais perfurados e registrando os perfis construtivos dos poços de monitoramento, sempre sob orientação de geólogos com mais de quinze anos de experiência em trabalhos de investigação e remediação de solos e águas subterrâneas.

 Medições de gases voláteis e amostragens de solo

Durante trabalhos que envolvem a execução de sondagens de investigação normalmente é requerida a realização de medições dos teores de gases voláteis e de amostragens do solo. A KW Ambiental conta com colaboradores treinados e capacitados para realização desses trabalhos, que utilizam em campo medidores portáteis de gases voláteis do tipo PID (Photoionization Detector) devidamente calibrados.

 Ensaios de condutividade hidráulica Ensaios de condutividade hidráulica

A Condutividade Hidráulica (K) é um importante parâmetro hidrogeológico que reflete a capacidade do meio em transmitir água. Para sua determinação podem ser realizados ensaios in situ em poços de monitoramento pré-determinados. Um tipo de ensaio realizado é o denominado slug test, que apresenta resposta rápida em campo e envolve a inserção e/ou retirada de um cilindro de volume conhecido no poço de monitoramento selecionado, com o objetivo de monitorar a variação instantânea dos níveis d'água estáticos e as suas recuperações ao longo do tempo. Com estes dados e as informações construtivas do poço é possível calcular, através de um software específico, o valor de K.

 Monitoramento e acompanhamento operacional de sistemas para remediação de solos e águas subterrâneas

A KW Ambiental possui equipes treinadas e capacitadas para atuação em áreas que se encontram em processo de remediação dos solos e/ou das águas subterrâneas por meio da atuação de sistemas implantados com esta finalidade. Em serviços dessa natureza as equipes da KW atuam sempre seguindo às orientações dos consultores responsáveis pela condução dos processos de remediação, coletando dados de monitoramento e operacionais em campo com uso de equipamentos portáteis de medição e executando manutenções preventivas e corretivas, quando necessárias. As informações e os dados coletados pelas equipes da KW são apresentadas aos consultores na forma de planilhas periódicas de acompanhamento.

 ÁGUAS SUPERFICIAIS E EFLUENTES

 Projetos e fornecimento de estações de tratamento de águas e efluentes.

Projetos elaborados individualmente, respeitando às peculiaridades de cada efluente e das características desejadas para o reuso específico ou descarte, buscando maior economia financeira e eficiência no tratamento.

Estações compactas, mini ETA, mini ETE residenciais para substituir fossas sépticas, estações biológicas sem geração de lodo, projetos construtivos, inspeções em obras, instalação e acompanhamento do processo.

O efluente tratado pode ser descartado na natureza ou reutilizado para usos específicos atendendo à legislação vigente.

Estações com operação manual ou automatizada.

 Caracterização de efluentes.

Análise físico-química para qualificar e quantificar os compostos presentes no efluente para que seja possível fornecer um sistema de tratamento adequado, buscando maior economia e eficiência.

 Monitoramento e amostragem de efluentes líquidos e corpos receptores.

Monitoramento da qualidade de efluentes líquidos e corpos receptores por meio da execução de ensaios de campo para determinação de índices físico-químicos e amostragens dessas matrizes ambientais.

 Otimização do tratamento de água e efluentes.

Avaliação de sistemas de tratamento existentes buscando redução de custos operacionais e maior eficiência do processo.

 Fornecimento de insumos químicos.

Produtos para ETE, ETA, torres de resfriamento e condensadores evaporativos, que proporcionam eficiência, economia e controle dos parâmetros que afetam a qualidade desejada e, consequentemente, maior facilidade operacional.

 Operações de estações de tratamento.

A KW conta com equipes e equipamentos adequados à operação e ao monitoramento da eficiência de estações de tratamento de efluentes e de águas cinzas ou destinadas ao consumo humano.

 Cadastro e monitoramento de soluções alternativas para abastecimento de água.

Cadastro perante a VISA - Vigilância Sanitária de soluções alternativas para abastecimento de água para consumo humano, como poços artesianos. Plano de amostragem conforme a Resolução SS 65/05 e monitoramentos mensais com relatórios protocolados junto à VISA.


Nome  (máx /40 caracteres)
     E-mail  (máx /40 caracteres)
Assunto  (máx /40 caracteres)
     Telefone
Mensagem  (máx /500 caracteres)
Rua Artur Pinto da Rocha, 115
Jaguaré - São Paulo – SP
CEP: 05335-060